quarta-feira, 30 de julho de 2008

domingo, 20 de julho de 2008

O Direito ao Palavrão

Luís Fernando Veríssimo

Os palavrões não nasceram por acaso. São recursos extremamente válidos e criativos para prover nosso vocabulário de expressões que traduzem com a maior fidelidade nossos mais fortes e genuínos sentimentos. É o povo fazendo sua língua. Como o Latim Vulgar, será esse Português vulgar que vingará plenamente um dia. Sem que isso signifique a "vulgarização" do idioma, mas apenas sua maior aproximação com a gente simples das ruas e dos escritórios, seus sentimentos, suas emoções, seu jeito, sua índole.

"Pra caralho", por exemplo. Qual expressão traduz melhor a idéia de muita quantidade do que "Pra caralho"? "Pra caralho" tende ao infinito, é quase uma expressão matemática. A Via-Láctea tem estrelas Pra caralho, o Sol é quente Pra caralho, o universo é antigo Pra caralho, eu gosto de cerveja Pra caralho, entende?

No gênero do "Pra caralho", mas, no caso, expressando a mais absoluta negação, está o famoso "Nem fodendo!". O "Não, não e não!" e tampouco o nada eficaz e já sem nenhuma credibilidade "Não, absolutamente não" o substituem. "Nem fodendo" é irretorquível, e liquida o assunto. Te libera, com a consciência tranqüila, para outras atividades de maior interesse em sua vida. Aquele filho pentelho de 17 anos te atormenta pedindo o carro pra ir surfar no litoral? Não perca tempo nem paciência. Solte logo um definitivo "Marquinhos, presta atenção, filho querido, NEM FODENDO!". O impertinente se manca na hora e vai pro Shopping se encontrar com a turma numa boa e você fecha os olhos e volta a curtir o CD do Lupicínio.

Por sua vez, o "porra nenhuma!" atendeu tão plenamente as situações onde nosso ego exigia não só a definição de uma negação, mas também o justo escárnio contra descarados blefes, que hoje é totalmente impossível imaginar que possamos viver sem ele em nosso cotidiano profissional. Como comentar a gravata daquele chefe idiota senão com um "é PhD porra nenhuma!", ou "ele redigiu aquele relatório sozinho porra nenhuma! . O "porra nenhuma", como vocês podem ver, nos provê sensações de incrível bem estar interior. É como se estivéssemos fazendo a tardia e justa denúncia pública de um canalha. São dessa mesma gênese os clássicos "aspone", "chepne", "repone" e, mais recentemente, o "prepone" - presidente de porra nenhuma.

Há outros palavrões igualmente clássicos. Pense na sonoridade de um "Puta-que-pariu!", ou seu correlato "Puta-que-o- pariu!", falados assim, cadenciadamente, sílaba por sílaba... Diante de uma notícia irritante qualquer um "puta-que-o- pariu!" dito assim te coloca outra vez em seu eixo. Seus neurônios têm o devido tempo e clima para se reorganizar e sacar a atitude que lhe permitirá dar um merecido troco ou o safar de maiores dores de cabeça.

E o que dizer de nosso famoso "vai tomar no cú!"? E sua maravilhosa e reforçadora derivação "vai tomar no olho do seu cú!". Você já imaginou o bem que alguém faz a si próprio e aos seus quando, passado o limite do suportável, se dirige ao canalha de seu interlocutor e solta: "Chega! Vai tomar no olho do seu cú!". Pronto, você retomou as rédeas de sua vida, sua auto-estima. Desabotoa a camisa e saia à rua, vento batendo na face, olhar firme, cabeça erguida, um delicioso sorriso de vitória e renovado amor-íntimo nos lábios.

E seria tremendamente injusto não registrar aqui a expressão de maior poder de definição do Português Vulgar: "Fodeu!". E sua derivação mais avassaladora ainda: "Fodeu de vez!". Você conhece definição mais exata, pungente e arrasadora para uma situação que atingiu o grau máximo imaginável de ameaçadora complicação? Expressão, inclusive, que uma vez proferida insere seu autor em todo um providencial contexto interior de alerta e auto-defesa. Algo assim como quando você está dirigindo bêbado, sem documentos do carro e sem carteira de habilitação e ouve uma sirene de polícia atrás de você mandando você parar: O que você fala? "Fodeu de vez!". Sem contar que o nível de stress de uma pessoa é inversamente proporcional à quantidade de "foda-se!" que ela fala. Existe algo mais libertário do que o conceito do "foda-se!"? O "foda- se!" aumenta minha auto-estima, me torna uma pessoa melhor. Reorganiza as coisas. Me liberta. "Não quer sair comigo? Então foda-se!". "Vai querer decidir essa merda sozinho(a) mesmo? Então foda-se!". O direito ao "foda-se!" deveria estar assegurado na Constituição Federal. Liberdade, igualdade, fraternidade e foda-se!.

Ouça o Jingle do Moreira


sexta-feira, 18 de julho de 2008

Clique o mais rápido possível no jogo abaixo. E clique sem pena!

trabalho de casa

“Mas eu só estou levando trabalho para fazer em casa!”

Da médica-legista Lubomira Verônica Oliva, do Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba, presa ontem transportando órgãos humanos dentro do carro.

quinta-feira, 17 de julho de 2008

“Batman – O Cavaleiro das Trevas”

video

O aguardado “Batman – O Cavaleiro das Trevas” chega às telas nesta sexta-feira (18), e as expectativas foram de fato atingidas. A atuação de Heath Ledger, morto aos 28 anos em janeiro passado de uma overdose de medicamentos, no papel de Coringa levou o longa a uma nova dimensão ainda mais confusa, sombria e assustadora.

Depois da cartada dada em “Batman Begins”, longa que precede o “Cavaleiro das Trevas”, o Coringa abre a trama com uma seqüência de ação em que rouba um banco. Ao lado de seus comparsas, ele já se mostra um vilão frio e com nenhum objetivo definido. Heath Ledger, que fez neste filme a sua última atuação antes de morrer em janeiro deste ano, interpreta o Coringa com uma enorme cicatriz no rosto e uma faca como sua principal arma. As roupas deixam de lado o tom colorido e vivo do Coringa de Jack Nicholson e passam a ser um roxo escuro e "sujo".

Sua atuação é um dos pontos áureos de todo o filme. A característica sarcástica e cômica do personagem fica em segundo plano, e suas piadas tomam um tom assustador. É com esta tensão que o espectador fica durante todo o desenrolar da trama, na qual o Coringa parece estar sempre um passo à frente. Apesar de manter algumas piadas, que agradam a platéia, a tensão do personagem volta à tona poucos segundos depois. A maquiagem carregada e destorcida, as marcas no rosto e o seu jeito de falar fazem do Coringa o personagem mais impressionante de toda a trama.

Assim como em “Batman Begins”, Batman, interpretado novamente por Christian Bale, se mantém um herói humano, com suas fraquezas, medos e ideais. Desta vez com um aparato ainda mais sofisticado, ele já se tornou um símbolo na cidade de Gotham e se infiltrou nas ações da polícia com ajuda de Gordon (Gary Oldman). Ele luta para tentar acabar com a Máfia na cidade, e a princípio, não percebe a dimensão do poder do seu principal oponente, o Coringa.

Rachel Dawes deixa de ser interpretada por Katie Holmes e ganha vida com Maggie Gyllenhaal. A atriz é a única substituição no elenco principal. No longa, ela se firma ao lado do promotor Harvey Dent (Aaron Eckhart), que luta pelos mesmos ideais que a jovem advogada. Harvey, por sua vez, se torna o grande herói de Gotham – um herói não mascarado – e passa a ser outro alvo do Coringa ao lado do próprio Batman, Rachel e o policial Gordon.

O longa se desenvolve com cenas e transições extremamente rápidas, que podem deixar os espectadores que não estão tão familiarizados com o enredo um pouco confusos. A trama é amarrada de maneira precisa, com reviravoltas inesperadas.

Ao todo, "O Cavaleiro das Trevas" pode ser considerado ainda melhor que o longa que o precede. Com personagens bem construídos, tanto do lado dos heróis quanto o vilão Coringa, as duas horas e meia de duração são permeadas por cenas de ação que não chegam a ser exageradas, além do sentimento de muita tensão.

O enredo

A história de "Batman - O Cavaleiro das Trevas" se passa um ano e meio depois do longa anterior, "Batman Begins". Batman se une ao promotor Harvey Dent e o policial Gordon para tentar acabar com a Máfia na cidade.

É quando surge um novo vilão, o Coringa, aparentemente sem objetivos. Cansado de roubar por roubar e matar por matar, ele faz um acordo com os líderes da Máfia. No acerto, ele se propõe a acabar com a vida do herói mascarado.

Gazeta do Povo

quarta-feira, 16 de julho de 2008

Simulador de Votação

Essa vai para você que nunca votou na vida
O TSE (Tribunal superior Eleitoral) publicou em seu site um simulador de votação, é isso mesmo, um simulador de votação, o mais engraçado é a opção dos candidatos que você tem para votar. Então se você não tem nada de produtivo para fazer, vai treinando como você exerce a cidadania.


Playboizinho Beto Richa...

sábado, 12 de julho de 2008

Primeiro debate na tevê será no dia 31

Candidatos a prefeito de Curitiba vão debater propostas para a cidade na TV Bandeirantes. Pela primeira vez, eleitor poderá participar

A Rede Bandeirantes promove o primeiro debate na televisão desta campanha eleitoral no dia 31 de julho. Os assessores e representantes de candidatos reuniram-se esta semana para discutir as regras do debate.

Antes do debate, a emissora fará entrevistas individuais de nove minutos. Todos os sábados serão apresentados dois candidatos. A escolha dos candidatos foi feita por sorteio na presença dos assessores.

Este ano o debate da TV Band traz novidades com a participação do público, que poderá enviar perguntas pela Internet ao portal da Band. Os candidatos responderão a estas perguntas no quinto bloco. Este ano o público será poupado dos intermináveis sorteios no vídeo, todos os sorteios de ordens de respostas e perguntas será feito anteriormente entre os assessores.

A candidatada Coligação Curitiba Para Todos, Gleisi Hoffmann, será a entrevistada do dia 26 . No mesmo dia, também será entrevistado o candidato do PMDB, Carlos Moreira.

sexta-feira, 4 de julho de 2008

Um sorriso bonito nunca passa desapercebido

Não é mesmo? Além de impressionar a gata(o) e contagiar amigos e colegas, exibir dentes saudáveis e bem posicionados ajuda a conquistar um emprego que pede aparência impecável. Com a intenção de ajudar a mantê-los maravilhosos separamos algumas dicas mais que especiais para você começar a sorrir a toa.

Aparelho
Os aparelhos fixos feitos de metal perderam a preferência entre os dentistas, agora, os novos são desenvolvidos de cristais de safira. O material é transparente e se adapta com perfeição à cor dos dentes.

A técnica de manutenção é a mesma dos tradicionais, mas o resultado estético faz diferença. O tempo estimado para colocação do equipamento é de uma hora e o preço gira em torno de 2 mil reais.

Clareamento
Existem dois métodos de clareamento no mercado: o doméstico, que consiste na utilização de molde de silicone, levemente preenchida com gel clareador, e o feito em consultório, onde se utiliza um produto clareador ativado por uma luz que aumenta a liberação de oxigênio responsável pelo clareamento.

Hálito
Os procedimentos para ter um hálito melhor estão também relacionados com a alimentação, que deve ser a base de verduras cruas e frutas. O cigarro, as bebidas e alguns medicamentos podem inibir a saliva, provocando cheiro ruim. A freqüência das escovações, o uso do fio dental e antissépticos são dicas básicas de como manter a sensação de hálito puro e um sorriso saudável.

Goma de mascar
De acordo com o especialista, mastigar algo depois de uma refeição produz saliva, e isso auxilia a manter os dentes limpos. O hábito de recorrer à goma de mascar logo após o almoço estimula a produção de saliva, contribuindo para 'lavar' a boca e neutralizar o ácido que causa mau hálito e cáries.

quarta-feira, 2 de julho de 2008

Mulher Melancia

Melancia sem Photoshop-_--------Melancia com Photoshop
_________________________________________________________